12 outubro 2009

A gente vai continuar

Não há muito a escrever. O meu estado de espírito é igual ao vazio do que há para dizer.

Para alguns, agora é a fase de arranjar bodes expiatórios, culpar os panfletos ou ter esperança hipócrita que as coisas vão mudar como se 8 anos não tivessem sido já suficiente prova de que ficará tudo na mesma. Quando há falta de coragem, de tomates até como se diz no meu Porto, para fazer o que é preciso ser feito, para mudar o que precisa ser mudado, de lutar pelo que se acredita, as desculpas são um consolo.

Créditos a quem de direito, chegou-me esta pequena pérola através da JS Porto.




Há formas e formas de lidar com esta derrota, a minha é fazer um luto, sem desculpas nem consolos, pelo que aconteceu e pelo que vai acontecer. Mas de uma coisa tenho tanta certeza como tenho que o Porto merece melhor que isto que lhe fizeram - enquanto houver estrada pra andar a gente vai continuar.

E sei que o R., o Pedro e a AL estão comigo.

15 comentários:

Pedro Marques disse...

Cá estamos de facto! Continuaremos!

Luísa Lima disse...

O que é uma esperança hipócrita?

Anónimo disse...

É aquela em que não se acredita, nem se deixa de acreditar, antes pelo contrário mas que fica sempre bem dizer que se tem e comentar, em gesto de passar a mão pela cabeça de uma criança dizendo: "Vá lá...não sejam assim... vão ver que vai correr tudo bem..."
AL
PS-se tivesse mais tempo explicava melhor...

Luísa Lima disse...

Ok, got it. Thanks :-) Inserida neste contexto, pareceu-me um bocado confuso.

Mas não é (só) quem está na câmara que faz a cidade, também são as pessoas. E as pessoas desta cidade discordam muito não só no que é melhor para a cidade, mas também sobre se devem fazer alguma coisa pela cidade... e como o podem fazer.

Pedro Marques disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Pedro Marques disse...

O primeiro passo normalmente é escolherem conscientemente as pessoas mais qualificadas para governar a cidade... digo eu!
Mas como é tradição, daqui a 3 anos e meio vão aparecer prédios pintados, buracos tapados nas ruas e senhores a anotar queixas da população prometendo a resolução dos problemas (que deviam ter resolvido antes) a troco de um voto... e nessa altura, instala-se uma amnésia característica que pode chegar a um vazio de memória até 12 anos... e vem o tal discurso da esperança hipócrita...!
Enfim... é o tradicional tuga!

Anónimo disse...

Há por aqui muito fel... que rima bem com AL.

Luísa Lima disse...

Sim, é o primeiro passo, mas não é necessariamente o último nem o único. Pode-se fundar cooperativas, associações, etc, por um objectivo comum, tipo cultura, renovação, divulgação. Muitas vezes acabam por ter uma orientação política, mas não precisam de ter.

Não sei se aqui vejo casos de tradicionais tugas -note-se que o tradicional tuga "deixa andar...".
Vejo é muito fundamentalismo da parte das pessoas da cidade e também dos políticos. É o ou tudo ou nada. Tenho ficado bastante surpreendida com discussões que tenho com amigos (e familiares) que acham que só há uma maneira de resolver as coisas. Não há! A maneira do Menezes para reabilitar Gaia pode não agradar a alguns, mas que para a zona da costa funcionou (e ficou espectacular) funcionou. O Rio diz que tem os mesmos planos para o Porto... vamos a ver! Existe pelo menos um plano para um condomínio fechado naquela zona onde era a Casa Forte que é capaz de reabilitar bastante a zona... Há outras maneiras? Há. Será que dão resultado? Sabe-se lá... Na minha opinião é importante atrair o dinheiro para o centro da cidade, incentivar o comércio tradicional, pôr as coisas um bocado mais... atractivas para as pessoas voltarem a frequentar o centro. Há quem prefira dizer que também não se enxota os "coitadinhos" para a periferia e que essa seria a consequência dessas medidas... Seria? Não se sabe...

Pronto já estou a divagar, eu calo-me :-P

Pedro Marques disse...

Admira-me deveras as haver quem ainda dê margem para planos a uma pessoa que anda há 8 anos sem fazer nada... É evidente que nunca há só uma maneira de resolver os problemas, daí haver vários candidatos com ideias diferentes para a cidade. Daí as pessoas poderem escolher. O que está em causa foi a escolha que fizeram e o que ela implica para a cidade. Há coisas que o Rui Rio diz que são evidentes e boas para a cidade... o problema é que anda cá há 8 anos sem fazer nada de jeito.
Quanto à observação do Menezes, sem dúvida fez muito por Gaia mas também importa ver a que preço. Tem uma divida autáquica só superada por Lisboa... vamos ver como essa história acaba. O meu palpite é que quem o suceder daqui a 4 anos (porque está obrigatoriamente no seu último mandato) vai herdar essas dívidas e vai passar um mau bocado no seu mandato...
Outra coisa ainda evidente é que temos que viver com esta escolha por mais 4 anos... e já parei de me lamentar, sem com isto querer dizer que vou deixar de criticar. Pelo contrário, estou mais determinado que nunca em ser pró-activo e não "dormir" mais 4 anos...
Caro anónimo, não se trata de fel mas inconformismo com as escolhas feitas e as desculpas dadas por quem votou Rui Rio. Curioso até como as pessoas sentem necessidade de justificar o seu voto...

Anónimo disse...

@ Luísa e Pedro: Boa discussão!É assim que se constroi a cidadania!
@Querido anónimo filho: Eu pelo menos Rimo ....tu não rimas mesmo com nada...triste ser anónimo e não rimar! um desgraça nunca vem mesmo só..lol
AL

Luisa disse...

Back to life! Não sei... não tenho respostas para isso, tenho opiniões. Eu concordo com destruir o Aleixo. Mesmo que seja para ceder a pressões imobiliárias. Acho que é preciso dinheiro para se fazer as coisas e é necessário obtê-lo por algum meio. Para além disso, acho que ninguém pode negar que as torres a cair aos bocados (estão mesmo...) não ficam bem ali, ponto. Mesmo em termos estéticos. E também acho que habitação social, para famílias, tem de ser em condições onde se possa ter crianças. Por isso... sorry... mas nisso ele tem razão, e vai em frente (ou pelo menos parece) e é uma coisa importante para a cidade... Não é a única, mas tough luck, não se pode ter tudo.
Porque é que é preciso dar DESCULPAS para se votar em alguém? Havia mais alternativas ao PS e PSD... E bem interessantes, diga-se de passagem. Mas ainda assim, a candidata do PS não convenceu, ponto final...
Pronto, políticas à parte, ia eu a dizer políticas à parte e vou voltar à política, sinceramente, muito sinceramente, não acho que de momento seja só por aí. Pode ser o primeiro passo, não é o único nem o último nem na minha opinião o melhor. Porque é que os USA têm tantos casos de sucesso? Não é pela política, é pelas pessoas. Pelo empreendedorismo, por acreditar num projecto e levá-lo até ao fim. Por não parar nem por nada.
E posto isto (eu não quero entrar em luta de galos!), tenho curiosidade em saber o que adianta uma pessoa filiar-se no PS (ou no PSD ou no CDS-PP ou no...) for that matter, neste caso. É ser pró-activo em que aspecto?
P.S. Gaia tem todas as infraestruturas para recuperar da dívida, para atrair pessoas. Posso estar a ser naive e simplista e não sei quanto tempo demora, mas é preciso investir e bem. E o Menezes investiu e bem!

Pedro Marques disse...

Pensar que a Câmara do Porto vai lucrar alguma coisa com os lobbys imoboliários é falta de contacto com a realidade. Outra coisa que me indigna profundamente é "Para além disso, acho que ninguém pode negar que as torres a cair aos bocados (estão mesmo...) não ficam bem ali, ponto. Mesmo em termos estéticos." É evidente que é preciso condições para a habitação social. O problema é que elas não existem e essa é uma preocupação que não existe... sabes qual é o plano para as pessoas que ocupam as torres...?
Quanto às desculpas, são os votantes no Rui Rio que as dão. Não pedi nada...
Quanto à filiação num partido político, tem que deixar de ser visto como uma coisa negativa. São locais onde pessoas com uma linha de pensamento identica discutem formas de melhorar a qualidade de vida dos seus conterrâneos. É um local onde se tem acesso a informação previligeada da qual não quero permanecer alheado. Há de alguma forma a ideia de que só os independentes não são corruptos ou que só eles se interessam verdadeiramente pelos motivos certos. Isso é um mito e quem se envolveu como eu me envolvi em campanha política por uma lista nas eleições locais, fica com esse mito desfeito. É preciso ser pró-activo no sentido de se estar informado e de intervir no momento certo e fazer chegar a informação às pessoas em tempo útil. Tudo para que daqui a 4 anos não me lamente pelo que devia ter feito e não fiz porque não sabia.
Quanto ao Menezes, como disse, o tempo dirá. E custa-me muito que Gaia tenha ultrapassado o Porto sob todos os pontos de vista. É uma cidade muito mais desenvolvida. Espero que a sua dívida não venha a hipotecar a continuidade desse desenvolvimento (pouco) sustentado.
Só mais uma nota... sugiro que antes de se falar da boa vontade de uns e do pouco convencimento de outros, se viva pelo menos uma vez a vida política por dentro... vivem-se coisas muito engraçadas...

Pedro Marques disse...

Só mais uma observação... não entendi a coisa dos USA... se há país mais político, onde os principais partidos mandam em tudo e todos e cedem a lobbys são eles...
Também são o país do mundo com pior sistema de saúde, com uma lei das armas ridícula, com uma das maiores taxas de criminalidade do mundo, etc...
Também são os que nos pontos mais fundamentais vão buscar pessoas ao resto do mundo, como seja para as áreas científica... desde há muitos anos que o fazem...
A história dos USA infelizmente é marcada mais por eventos negativos do que positivos, sendo que o pior de sempre é o lançamento da bomba atómica... foram os únicos a fazê-lo...

Luisa disse...

Sim, a coisa dos USA é difícil de entender para quem nunca viveu lá. É uma opinião pessoal, estou a descrever o que senti quando lá estive (e que não tem rigorosamente NADA a ver com a imagem que eles passam para o estrangeiro, nadinha...). Estava a falar das pessoas em si - as normais, as que andam na rua. Essas pessoas têm uma paixão que não se vê cá facilmente, seguem aquilo em que acreditam, são.... diferentes. Metem as mãos à obra e não é preciso arrastá-las ou convencê-las de que é possível...
Não estava a falar desses factores, muito menos da bomba atómica, que não entendi o que tem a ver com a discussão... estava a falar das pessoas como indivíduos, cidadania. É como eu digo, posso ser naive mas acredito que está mais nas mãos dos indivíduos do que dos políticos e que se nós deixássemos de deixar a responsabilidade EXCLUSIVAMENTE para os políticos (ou para a política) as coisas estariam bem melhores. Estou a falar a nível de comércio, de cultura na cidade, de cidadania. De criar um bom clima, algo em que as pessoas se sintam bem. Claro que não estou a falar de serviços básicos de saúde etc...

O plano para as pessoas que ocupam as torres - pelo menos o último que vi - é "espalhá-las" pelos outros bairros. Que diga-se de passagem têm bem mais condições do que o Aleixo (já tive amigos no do Bessa e no das Condominhas, nunca entrei em nenhuma casa do Aleixo mas já lá estive e a diferença é que no Bessa e nas Condominhas há sítios para as crianças brincarem... no Aleixo só há traficantes de droga o dia todo e não se vê crianças na rua).

Longe de mim dizer que só os independentes não são corruptos!!!! Então temos casos de Felgueiras e Rio Tinto aqui tão perto... mas não entendi o que tem a ver a corrupção, nem eu falei dela. Quando falei no Aleixo disse que a cidade podia beneficiar de se poder vender aquele terreno para apartamentos (que ali, claro que seriam de luxo) para além de "aliviar" um bocado a criminalidade na zona (pelo menos, vamos a ver). E quanto à criminalidade na zona acredita que sei do que estou a falar! Pois vivo na zona! ;-)

Luisa disse...

Ah, quanto a viver a política por dentro, respeito a opinião, mas por enquanto não me apela, lá está, por acreditar que deve haver outras maneiras com mais impacto. Pode ser que um dia venha a mudar de opinião. Por enquanto a minha maneira (com pouco impacto, claro) é ajudar o meu orientador a fazer marketing à ciência na UP... Essa coisa de "importar" gente de ciência funciona e muito no desenvolvimento tecnológico de um país. E pontos de vista diferentes são sempre refrescantes e positivos... Foi outra das coisas que aprendi com os americanos!

*Mas* um político pode não me convencer apesar de eu não andar na política! Não é para isso que fazem campanha? :-D