19 março 2010

The End

É triste. O Ano Internacional da Astronomia chegou ao fim e, confesso, é triste. Se mais uma pessoa no mundo ficou a olhar para as estrelas, então já terá valido a pena, mas a melancolia não me larga. A vontade de continuar a mostrar as estrelas, as anãs brancas, supernovas, as nebulosas, de emissão e as planetárias, as galáxias, espirais e elípticas, os enxames de estrelas, os enxames de galáxias, os buracos negros, os filamentos, a matéria negra, até os planetas, de mostrar o Universo ou simplesmente a minha paixão? Não vai passar.



E é com sentimento de dever cumprido que leio o meu nome algures no meio deste agradecimento, mesmo não havendo nada a agradecer. Mas também é com um nó na garganta que vejo agora uma das homenagens mais bonitas feitas à Astronomia, ao amor da minha vida:





2 comentários:

disse...

'And in the End, The Love you take is equal to the love you make'. Palavras sábias (sem levar a frase para a malícia) Gostava de ter sido eu a pensá-las...

Anónimo disse...

@Bé There is no malice in love making.