20 novembro 2007

Porque não gost..,perdão, ODEIO o Rui Rio? Porque amo o Porto - Episódio VI

A propósito da provocação aqui do blog vizinho, cá está mais um episódio desta novela que, espero, chegue ao fim depressa. Quem a acompanha, reparou na ligeira mudança no título - há alturas em a cidade que trago debaixo da pele se entranha nas veias e é mais forte que eu.

Quanto à árvore de km e meio nos Aliados, francamente, não tenho muito a dizer. É uma arbem para que os parolos como eu vão olhar todos os dias, seja dia ou noite, com ou sem luzinhas. A Torre dos Clérigos pode não gostar da concorrência, mas de resto não tenho nada contra - não fui eu que a paguei, não fui eu que a montei e (aposto que nem pensaram nisso) é uma excelente forma de disfarçar, ainda que temporariamente, aquela pedreira da Av.dos Aliados.
Quanto ao dinheiro queimado no fogo-de-artifício? Ou à energia gasta em tempo de global warming madness? Estão mesmo a falar a sério? Não, a sério? É que se quiserem podemos já começar a tomar vodka e Prozac e deve ir dar mais ou menos ao mesmo - ver estrelas e foguetes de várias cores sem gastar nem um cêntimo nem um watt.

Francamente, mais do que o dinheiro e luz que se gasta na porra da árvore, o que me entristece de facto, o que me angustia e, por vezes, enfurece é o abandono e a apatia que tomou conta da cidade, da minha cidade, da cidade que me preenche, da qual me apaixonei pelas molduras das janelas da Rua dos Clérigos, pela estátua da Justiça na Cordoaria, pela claridade às onze da noite em dias de chuva e pelo nevoeiro, adoro o nevoeiro.
Curiosamente, houve quem mesmo não se tendo apaixonado se deixou seduzir um bocadinho e tenha atribuído ao Porto o título de Património Mundial. Faz no próximo mês 11 anos. 11 anos, alguém se lembrava? Provavelmente não porque o Sr. Rui Rio fez questão disso, como fez no ano passado, e no anterior e desde que está com um grande tacho, um Audi e um motorista nas traseiras da Câmara.
Mas este ano não vai passar despercebido - A Cidadãos do Porto, SA (Sociedade Aberta), através do manifesto "eu imPORTO-me" vai marcar a data, informalmente, com pessoas e para pessoas que gostam de francesinhas, de tripas!, do Majestic e do Bolhão, do rio e do nevoeiro - com pessoas e para pessoas que gostam do Porto.

Eu vou lá estar. Vou sentir o Porto, onde quer que o Rui Veloso esteja.

13 comentários:

Hélio disse...

Paulinha, só bebo superbock... detesto vodka e quanto a prozak, felizmente, nunca precisei de tomar...

Se calhar entendeste um bocado mal aquilo que eu quis dizer.

Eu, exprimi a minha opinião enquanto cidadão e habitante da cidade do Porto, mas acima de tudo, exprimi a minha opinião enquanto funcionário da Câmara.

Sim, acho inútil o dinheiro gasto nestas coisas, e digo isto porque por vezes, em certas divisões da câmara não se pode imprimir uma folha (de trabalho!!!) ou porque não há folhas onde imprimir (sim isto acontece, e com frequência) ou porque a fotocopiadora/impressora está avariada (há semanas) e a desculpa é sempre a mesma "ah e tal, não há verbas, temos de nos arranjar de qualquer forma..." para depois existirem coisas destas.

Acho que vendo bem as coisas, a importância do dinheiro gasto em fogos de artificio e afins, acaba por se tornar relevante, ou talvez não, mas prefiro pensar que sim, tipo, tem alguma lógica...

Acho a árvore gira, já o disse, e acho muito bem que traga gente ao centro da cidade, mas há que ver as coisas por todos os prismas... e neste caso, se as pessoas viessem passear ao centro A PÉ (não só pela árvore), seria de aplaudir... mas não se verifica isso, nem pouco mais ou menos...

Eu cá sinto falta de ter, por exemplo, cinemas no centro da cidade... tenho saudades de ir ver um bom filme ao centro... caminhar e lanchar num snack-bar qualquer no regresso a casa a meio da tarde... e por exemplo, fiquei triste quando abriu o novo shopping e descobri que afinal em vez dos tão aclamados cinemas ia ter um healthclub...

Enfim, vou-me calar, porque concordo contigo no que diz respeito a dinamizar o centro e chamar mais povo, mas eu sou mais, "povo" à maneira antiga... e nunca mais me calava com o que penso...

Beijinhos!

Paula disse...

Eu podia, e se calhar vou fazer isso mais cedo ou mais tarde, estar aqui com um relambório sobre porque é que não se pode ser fundamentalista quando se gere alguma coisa ou, muito pior, pessoas.

Pensa assim:
se o Porto não tem pessoas > não há investimento > não há razão para apostar no Porto > a CMP perde poder > não há dinheiro > não há papel para impressora.

Ninguém discute que é inútil, claro que é. Mas é também para isto que os impostos servem - para inutilidades como construir uma pista para os aviões catitas perto do parque da cidade. E olha só a quantidade de pessoal que andou de nariz pro ar!

Jpp disse...

Para vocês tudo é inutil... O Rui Rio parece ter sido dos poucos presidentes nojentos e aproveitadores que a cidade do Porto teve... Se têm fogo de artificio, gastou se muito dinheiro, se não têm é um escândalo como foi a uns anos com o fogo da passagem de ano... Cada vez me dá mais pena dos que se queixam e só vê o seu rabo.. É triste.. Tanto intelectual de esquerda (ou esquerdelhos popularmente falando) perdido neste pais sem rumo na vida... Get lost losers...

Paula disse...

Ui... alguém está num bad hair day. Aconselho Guronsan.

leandro disse...

mas que...? entao quer dizer que... a arvore de quilometro e meio que esteve no Terreiro do Paco no ano passado foi para os Aliados?!?! mas pq? alguma razao especial? e' daquele tipo de coisas que de vez em quando percorre o pais de norte a sul?! genial... E as pessoas tb fazem romaria so' pra ver a arvore como no ano passado, encalacrando o transito todo? Entao mas assim... o que e' que existe no Terreiro do Paco este ano? Existe alguma coisa ou as pessoas terao de olhar para o outro lado da av Infante D. Henrique e admirar os edificios de ministerios!? sao engracados mas ao pe' da Arvore (vamos chamar-lhe assim) quer dizer, nao sao grande coisa...

Hélio disse...

@jpp: Nunca me tinham chamado "intelectual de esquerda" nem "esquerdelho", por isso obrigado, vou apontar no caderninho para mais tarde recordar...

Pensei que se podia ter/dar opinião sem se ser insultado, mas pelos vistos estou enganado. Pelos vistos é SEMPRE mais fácil recorrer a insultos, especialmente a pessoas que nem se conhece de lado algum...

Enfim, fico-me por aqui...

Paula disse...

Lemon, não sei se o esquerdelho és tu ou eu!
Essa personagem já tinha deixado um comentário no último post sobre "Porque não gosto do Rui Rio". E ainda não sei se afinal é do contra ou não.

Hélio disse...

@paula: Foi escrito "Para vocês tudo é inutil..." pelo que se nota que foi mesmo para ti e para mim, daí o "vocês". Enfim, whatever.

Jpp disse...

Boa noite. Eu nao insultei ninguem, mas se o tomas como tal é contigo... Nao sei já agora porque me chamas Limão, mas deve ser por achares que tenho azia, esta de facto, lamento, é inexistente... Não concordam com uma politica denominada de "direita" que não acenta num "averbatar" de dinheiro públicos ou camarários como queiras entender. O esquerdismo cego não evolui muito o espiríto, só o faz estatelar no meio chão do tão desmoralizado que fica.. Se calhar o guronsan ajudava vos, sério...

Hélio disse...

pois, se calhar... gurosan. É isso e barcos...

PS: já agora, essa do "limão" foi dirigida mesmo para mim, só mesmo para que se conste e não haja confusões. Eu é que sou o limão da junta!

Paula disse...

@JPP: O que tu fizeste, e já o tinhas feito num post anterior, foi achincalhar quem aqui escreveu, seja eu ou o qualquer outra pessoa. Como deves entender, a tua opinião não pode ser levada a sério se a encaixas previamente num cenário de ridicularia e adjectivação barata - ie. gente bloquista, losers, esquerdelhos.
De qualquer modo, tivesses tu lido o primeiro post desta série "Porque não gosto do Rui Rio" e podias ler que "procuro até ter um certo fair play nesse campo [diferenças partidárias]." - eu e posso assegurar que o Hélio também.
Se queres uma discussão séria e edificante tudo bem, caso contrário não entendo porque sequer te dás ao trabalho de aqui escrever.

Atentamente,
Paula

PS: Convém relembrar que Lemon era para o Hélio. O erro foi meu.

leandro disse...

Oh pa'... mas a Arvore e' mesmo a mesma que esteve em Lisboa no ano passado ou nao?!? Humm, e' que segundo tenho lido, a do ano passado tinha 62 metros, 2 milhoes de luzes, 140 toneladas 320 metros de neon, etc... e a dos Aliados tem 76 metros e 2.4 milhoes de luzes...! Mas pelas fotografias parecem a mesma, apenas com desenhos diferentes. Sera' outra arvore ou sofreu apenas um upgrade desde o ano passado!? OU e' de facto a mesma e o que aconteceu foi apenas alguem perguntar a um senhores que a estava a 'construir' e ele respondeu sabiamente "mede prai'... uns... 76 metros mais ou menos" e isso pegou!??
Agasta-me isto....... Reparei tb (e isto e' novo) que que ja' se fala na Arvore como se fosse um monumento ou a exposicao do Berardo: "a arvore pode ser visitada ate' 10 de Janeiro".
Outra coisa... afinal qual e' a definicao de "arvore de natal"? Pode ser uma arvore real ou tem de ser uma armacao de metal?? E um abeto sem lampadas pode ser uma arvore de natal?! E' que nao tenho lampadas pra por na minha arvore... :( Mas tem neve, nao sei se... conta...!? Nao pois nao!?! bom, o melhor e' esquecer, de qq maneira acho que nao iria conseguir bater o record, nao encontrei ainda abetos com 76 metros de altura...

Paula disse...

@Leandro: Sim, em príncipio é a mesma árvore que esteve em Lisboa, só que cresceu um bocadito ao que parece...

Acho que para ser oficialmente uma árvore de Natal tem que ter uma bola vermelha ou uma estrela no topo :)